Greatest Hits

Greatest Hits
Tele-jogo, o videogame de uma geração

Greatest Hits

Greatest Hits
Coletânea de sucessos de uma fita Basf

Greatest Hits

Greatest Hits
O Rockeiros Nacionais também envelheceram

Greatest Hits

Greatest Hits
IoIô da Coca-Cola

João Penca e Legião Urbana censurados

sexta-feira, 11 de março de 2011

1988-04-15_carimbo-censura-na-musica-faroeste-caboclo Carimbo censura na música Faroeste Caboclo

 

Diante da vulgaridade e mediocridade de algumas “músicas” atuais, a história do rock nacional nos proporciona algumas coisas inusitadas. A música SOS Miquinhos do João Penca e Seus Miquinhos Amestrados, assim como Faroeste Caboclo do Legião Urbana, tiveram que ser editadas para que pudessem ser tocadas nas rádios na época.

 

O interessante é que, diante do quadro atual de absurda vulgarização, essas músicas não falavam nada demais. A música SOS Miquinhos até que era um pouco mais ácida e maliciosa, além de abusar de uns termos bem chulos. Mas Faroeste Caboclo não falava nada muito assombroso. No link abaixo vocês podem acompanhar a versão censurada e a versão original dessas músicas:

 

VERSÃO EDITADA

 

VERSÃO ORIGINAL

 

VERSÃO EDITADA

 

VERSÃO ORIGINAL

 

Para relembrar e refletir:

 

Na década de 80 começaram a surgir algumas bandas que, em suas letras musicais, traziam humor e malícia. João Penca e seus Miquinhos Amestrados está entre elas. A partir daí, este gênero só aumentou, resultando no que hoje poderíamos chamar de “besteirol da música brasileira”. Sem a pretensão de moralizar, o sucesso de músicas como “Boquinha da Garrafa” e “Éguinha Pocotó” revelam o desprezo de nossa juventude pela cultura brasileira e o desrespeito à pessoa humana.

 

Embora o Funk seja uma expressão cultural, não podemos negar que, na maioria dos casos, este estilo musical exalta contra-valores. Há algum tempo, alguns telejornais apresentaram casas de baile Funk que promoviam o abuso de menores, relações sexuais em meio às danças, sem contar os nomes atribuídos às nossas belas mulheres brasileiras que, na boca de Tom Jobim, eram “... cheia de graça...” e, no Funk, são “cachorras”. (Etori Caldeira de Amorim)