Greatest Hits

Greatest Hits
Tele-jogo, o videogame de uma geração

Greatest Hits

Greatest Hits
Coletânea de sucessos de uma fita Basf

Greatest Hits

Greatest Hits
O Rockeiros Nacionais também envelheceram

Greatest Hits

Greatest Hits
IoIô da Coca-Cola

Quem se lembra do Araken o showman?

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Depois do fiasco de 82 onde todos dava como certa o tetracampeonato, por causa da constelação de craques, liderados por Telê Santana. Nossas esperanças se renovarão no ano de 86, com alguns jogadores remanescentes do esquadrão de 82.

 

Umas das coisas mais divertidas pós-jogo, era os vídeos divertidos, do personagem Araken, sempre zuando as seleções derrotadas pelo Brasil.

 

O vídeo abaixo era pra ter sido exibido caso o Brasil tivesse ganhado da França, naquele fatídico jogo que Zico perdera um pênalti, defendido pelo goleiro Bats no tempo normal.

 

 

 

 

De 1983 a 1986, Araken, o Showman! era o personagem da Rede Globo que anunciava os programas da emissora. Interpretado pelo publicitário José Antonio de Barros Freire, mais conhecido como Barrinhos, Araken representava o brasileiro que não perde o otimismo por nada nesse mundo. Em encenações rápidas e divertidas, o baixinho de cabelos escuros tentava de mil maneiras vender suas idéias para os empresários, que o ignoravam. Sua última aparição foi na Copa do Mundo de 94 em uma propaganda de sapatos e em outra de imóveis.


À época, Barrinhos usou o sucesso do seu personagem para fazer campanhas para doação de sangue, recadastramento eleitoral e alfabetização.


Hoje, aos 54 anos, o documentarista mora no interior de São Paulo e trabalha com produção de vídeos de responsabilidade social e programas para televisão. O projeto mais recente é sobre música erudita e popular para jovens, que deverá ser exibido pela TV Cultura. Além dele, Barrinhos trabalha em um documentário sobre a Opera Yoruba, que será exibida na Nigéria, ao lado da professora da Unicamp Inaicyra Falcão. Fonte: (Uol)

O fiasco de 82 e as lições de uma copa

terça-feira, 15 de junho de 2010

Como estamos em clima de Copa do Mundo vamos lembrar um pouco da história do ludopédio, mais precisamente o Mundial de 1982, do qual nós brasileiros não temos boas lembranças.

 

Os saudosistas oitentistas tem motivos de sobra para relembrarem essa década maravilhosa, mas nem só de alegrias foram feitos esses anos dourados, tivemos também alguns dissabores e o maior deles, sem dúvidas, foi a tragédia do Estádio do Sarriá.

 

Na ocasião estava com 10 anos e lembro perfeitamente da decepção ocasionada pela eliminação da seleção brasileira, naquela tarde fatídica, e um nome marcou definitivamente e de forma trágica, a mente de muitos brasileiros por décadas: Paolo Rossi.

 

Mesmo muito novo, não esqueço jamais da cena da minha rua toda enfeitada e as pessoas em prantos na rua, talvez lamentando o fim da única alegria de um país dominado pela ditadura, inflação exorbitante e mazelas sociais.

 

Com um elenco repleto de craques como Zico, Falcão, Sócrates, Éder e Júnior, provavelmente, depois de 70,  foi a seleção que chegou a uma copa com maiores chances de conquista.

 

Nesta edição, a equipe dirigida por Telê Santana era tida como a grande favorita à conquista do título, mas a equipe canarinha acabou eliminada pela Itália, que depois de uma campanha pífia na primeira fase (empates contra Polônia, Peru e Camarões - tendo se classificado graças ao número de gols marcados, deslanchou a partir da etapa seguinte, até vencer a Alemanha na final.

 

Essa copa veio confirmar a velha máxima de que nem sempre vence o melhor. Infelizmente, por causa desse desfecho trágico, houve uma mudança radical no meio futebolístico, com a ascensão do futebol de resultados em detrimento ao futebol arte, talvez esse tenha sido o pior legado da copa de 82.

 

 

IoIô da Coca-Cola

terça-feira, 8 de junho de 2010

image_thumb[39]

Taí mais uma febre da molecada da década de 80. Esses apetrechos devem ter contribuído e muito para reinado absoluto da marca Coca-Cola, bem como para obesidade de muitos. Sem contar, é claro, o terror para os pais, pois nenhum moleque poderia ficar sem o famigerado brinquedo da marca. Eu tive um da Fanta com a borda branca.

 

Segundo o Almanaque Anos 80, a febre começou em 1982 e era necessário juntar 5 tampinhas do refrigerante, mais 350 cruzeiros para trocar pelo modelo Profissional, com as laterais brancas, ou 420 cruzeiros, pelo modelo Super, de laterais transparentes e coloridas, o mais cobiçado.

 

Segundo a Wikipédia, o Ioiô é um dos brinquedos mais antigos que existe. É constituído de dois discos, geralmente de plástico, mas podendo ser também de madeira ou metal, unidos no centro por um eixo no qual prende-se uma corda. Deixando-se cair o ioiô, de certo modo ele sobe com o impulso, e a corda se enrola; deverá outra vez cair e subir, sucessivamente, até que termine o impulso inicial.

 

A história desse brinquedo é bem antiga e misteriosa. Não se sabe bem ao certo onde nasceu o ioiô, sendo cogitados como prováveis "berços" a Grécia, a China ou as Filipinas. Alguns ioiôs antigos foram encontrados na Grécia, datados de 2500 anos, utilizando blocos de barro ao invés dos discos. Nas Filipinas, os nativos utilizavam o ioiô como arma e instrumento de caça, sendo colocadas duas pedras no lugar dos discos e uma corda de até seis metros.

 

O ioiô, tal como conhecemos atualmente, surgiu nas Filipinas, onde é um brinquedo muito popular entre as crianças. A palavra "ioiô" vem do filipino, e quer dizer "volte aqui".